Como Escolher Videojogos de que Pais e Crianças Desfrutem

Do lado dos pais, os melhores videojogos são os educativos, que transmitem ensinamentos de vida, desenvolvem a coordenação motora e mantêm os miúdos ocupados durante algum tempo. Se atendermos às crianças, a vocação ekidswithtabletsducativa dos jogos não está propriamente nas suas preferências, que vão mais para jogos de guerra, velocidade e ação.

Pode parecer difícil estabelecer um consenso que una pais e filhos neste assunto polémico, mas ele é do interesse dos próprios pais, que, sempre que possível, deveriam acompanhar os filhos nas suas atividades recreativas e, no caso dos jogos, ajudá-los a escolher os melhores. Para que isso aconteça, procure informar-se, sabendo que nem sempre os jogos mais populares são os mais adequados. Siga estes passos, para uma escolha que satisfaça miúdos e graúdos:

Verifique a classificação ESRB

A ESRB (Entertainment Software Rating Board) desenvolveu um sistema de classificação que distribui os jogos consoante o que considera apropriado para cada idade. As classificações são:

  • EC: Jogo com conteúdo próprio para crianças até 3 anos.
  • E: Livre para todas as idades.
  • E10+: Contém conteúdo impróprio para menores de 10 anos.
  • M: Jogo mais violento, considerado impróprio para menores de 17 anos.
  • AO: Apenas para adultos.
  • RP: Produto em análise.

Visite os sites dos fabricantes das plataformas de jogos

É possível visitar os sites dos equipamentos com que as crianças jogam, como é o caso da PlayStation, da Nintendo ou da Xbox. As empresas listam os videojogos que foram feitos para as suas plataformas, bem como as suas classificações, incluindo muitas vezes “trailers”. Embora estas análises possam não ser isentas, são úteis para quem quer familiarizar-se com os jogos.

Consulte entidades que publiquem avaliações independentes

Há muitas entidades independentes da indústria dos jogos que aconselham os pais, cada qual com o seu ângulo de abordagem. Escolha aquela que se alinhe com os próprios critérios e valores.

Se tudo o resto falhar, procure os “velhos” clássicos (Mario, Spyro e Pokémon), que têm uma presença bem marcada, atravessando gerações. Mesmo que o valor educativo destes jogos seja discutível, oferecem o tipo de entretenimento que a maior parte das crianças procura e são inofensivos.

Não se esqueça de reservar os jogos para adultos, como o JackpotCity app, para si. Em todo o caso, no momento em que os seus filhos atingirem a idade adulta, pondere se não será vantajoso que aprendam consigo a desfrutar de uma “app” de jogos de casino, em vez de descobrirem este novo mundo por si mesmos. Poderá ensiná-los a jogar de forma responsável e assim encontrar mais uma forma de se divertirem em conjunto.